Menos likes nas fotos, mais likes na vida

tumblr_mh23jg6KYj1rlh0cro1_500_large

A gente não quer só dizer que está tudo bem; responder ao perguntar “tudo e você?”. A gente não quer essa coisa de “vamos marcar um dia” e perceber que na verdade esse dia nunca vai chegar. Ah, a gente não quer mesmo.

A gente ama marcar e realmente comparecer nas coisas marcadas. A gente é o tipo de gente que gosta de ter gente por perto. Gente de verdade, sabe? Gente imperfeita, que erra, mas tenta acertar com vontade.

Bem que por um lado seria mais fácil exigir menos e só viver por aí beijando bocas. E dia seguinte postar um “gente, o que eu fiz ontem?” igual as pessoas fazem, né? Mas a gente não gosta muito disso não. “Então vocês são santos?” Pelo contrário.

A gente coleciona boas aventuras, lembramos de alguns beijos, de outros nem tanto, porém. É que funciona assim: Se for pra gente ter qualquer coisa é melhor a gente nem ter nada. Essa história de curtir a vida do jeito que se curte um pacote de salgadinho não é muito a nossa praia. Por isso a gente é meio exigente sobre o que queremos.

Mas evite confusões: a conotação do verbo “exigir” aqui configura em algo parecido com almejar, ou seja, é que a gente sabe bem o que quer e não aceitamos nada menos que isso. “Nossa, mas o que tanto vocês querem então?” A gente quer quem queira a gente. No fim, é só isso.

Esse alguém pode ser bem diferente da gente. Pode gostar de refrões que não achamos graça e pode amar filmes que nunca vamos assistir, isso nem importa, desde que esse alguém goste da gente. Dá pra ver como é bem simplista no fim, né? Não tem exagero nenhum não. Com alguém que goste da gente fica mais fácil viver a vida de um jeito mais contente.

Pois sabe como é né, é bom demais ter uma risada pra acompanhar a nossa e ter uma mão pra aquecer tipo nessas noites de inverno. É bom demais dividir o edredom e dormir feito uma pessoa só. Isso é realmente bom demais.

Essas coisas acontecem quando a gente tem alguém que gosta da gente.

Também é por isso, no entanto, que a gente fica tão triste com algumas coisas.
Dói demais conhecer alguém que se parece bacana e depois ver que esse alguém não dava a mínima pra gente, sabe? É chato porque a gente gosta de se dedicar pra caramba. A gente é meio cafona. A gente gosta de pedir pra avisar quando chegar em casa, a gente termina as frases não com um =) mas com um <3.

Olha, pra gente isso se chama carinho, mas tem que não goste tanto assim.

Tipo aquelas pessoas que veem a forma da gente cuidar como uma forma da gente se apropriar. E aí dá um nó cabeça: ué, a gente não tem poder de se apropriar de ninguém, pra quê pensar assim? Essas pessoas são estranhas. A gente acha que elas tem medo de pessoas como a gente; de pessoas reais.

A gente sofre tanto, vocês nem fazem ideia do quanto.
Não entra na nossa cabeça como alguém pode ler a nossa mensagem e não responder. É claro que a gente sempre espera uma resposta boa, mas melhor que isso é ter pelo menos uma resposta, seja qual for. Mas tem umas pessoas que perdem tempo jogando ao invés de ganhar se divertindo. Esse negócio de “não vou ligar porque já liguei muitas vezes” não cola muito com a gente.

E aliás, a gente gosta mesmo é de quem toma uma atitude, sabe? Nossa, como a gente gosta! É outra coisa boa da vida: alguém que diz pra gente o que sente; alguém que diz que tá com saudade da gente e como fazemos falta. Ou até mesmo alguém que diz pra gente quando erramos.

No fim das contas as coisas são meio práticas, né? Pra gente é, mas tem gente que gosta de dar uma complicada, vai saber o por quê.

Sim, a gente imagina um mundo bem bonito. É que pra gente funciona assim: fazemos com as pessoas o que gostaríamos que elas fizessem com a gente. É tipo o 2+2=4 do coração, sabe? Por isso que às vezes o mundo parece mais legal pra gente. A gente primeiro mergulha nas pessoas, depois a gente vê se vamos nos afogar ou nadar. E deve ser por isso que muita gente torce o nariz porque a gente gosta de postar frases e músicas bonitas. Ué, o que a gente mais gosta é de espalhar coisas boas. Pra que dar atenção para as coisas ruins? As pessoas parecem gostar de sofrer, enquanto a gente gosta de viver.

A gente não quer só dizer que está tudo bem; responder ao perguntar “tudo e você?” A gente não quer só o “visto por último tal hora” (que aliás agora dá pra esconder, né?). A gente não quer só esses likes nas nossas fotos, a gente quer like nas nossas vidas.

A gente não quer só puxar assunto, a gente quer ser puxado também. A gente não quer só chamar pra sair, a gente quer convites também. A gente quer a vida real; a gente quer quem queira a gente. A gente quer você se você mostrar que quer a gente. Provavelmente a gente seja eu e você. Nós, todos uma coisa só.

Marcio Rodrigues, publicado em: http://umtravesseiroparadois.wordpress.com/

Anúncios

4 thoughts on “Menos likes nas fotos, mais likes na vida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s