A casa da minha alma

16

Tenho a alma livre. E por ser livre ela vaga por aí e faz morada no teu sorriso. Entra pelas frestas dessa muralha construída ao teu redor e se aloja na casa da tua alma – desculpa, mas tua alma vive no sorriso, não nos olhos.

Minha alma então puxa assunto com a tua, quer desvendar, desnudar e dividir os souvenirs das viagens a outros sorrisos, do mochilão que ela tem feito desde o dia que eu concedi a alforria. Mas a tua foge, se esconde, tira a chaleira do fogo e se fecha no quarto. Não quer conversa.

 A liberdade da minha alma assusta a tua. Assusta os lugares por onde ela andou, desinibida acenando para sorrisos despretensiosos, e assusta mais ainda o fato que, mesmo sendo livre e podendo estar em qualquer lugar, ela quer ficar aqui, braço com braço com a tua.

E livremente ela fica, sentada no sofá da sala da casa da tua alma, esperando um café ou uma conversa a toa, mesmo que o mundo lá fora tenha os melhores cafés para papilas apuradas. Não importa, a paz da minha alma está no sorriso que eu só vejo quando a tua alma resolve olhar pra mim e me diz com os olhos que me espera pra dividirmos a vida. Não agora. A vida ainda não voltou pra fervura.

Marina Oliveira

Anúncios

2 thoughts on “A casa da minha alma

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s