Dificuldades de um amor

tumblr_lslg1si1L51qac6sjo1_500

Em uma noite escura e regada com muitas lágrimas, o momento da partida me fez pensar que seria a coisa mais custosa que já me aconteceu. Mas não foi.

Difícil foi perceber que aquilo sentido era só meu e que, provavelmente, nem existia no coração daquele moço.

Difícil foi ver os dias passando confirmando sua ida. Difícil foi concluir que, se eu fosse um verbo, seria conjugada por ele no futuro do pretérito.

E por incrível que pareça, não é difícil conviver com a presença dele. Difícil é conviver comigo mesma. Vê-lo de novo não é meu pior pesadelo, pelo contrário, foi mais natural do que a paixão que confio em suas mãos, todo dia.

Não é fácil encarar que os desejos e sonhos que eu tive para nós dois não passaram de uma via de mão única.

Pintei algo que só existia para mim. Minha obra de arte é de natureza morta.

Difícil é ver que todas as batalhas travadas foram vãs e que nelas não tinha você ao meu lado.

Desafiei tantos preconceitos.

Por isso que é tão difícil conviver comigo mesma ou entender que eu não passei de uma ilusionista. Eu me enganava aos pouquinhos e a cada sinal contrário que me dava, magicamente transformava naquilo que gostaria de receber do amor deste rapaz.

É, meu caro, difícil é sentir uma saudade calma e profunda daquelas que dói até na alma. Não é simples deixar de amar alguém quando este passeia em seus pensamentos.

Difícil é olhar ao meu redor e ver aquele belo rosto em todos os lugares, compreender que ele ainda vive em mim e que, portanto, nunca me deixou (mesmo querendo deixar).

Apesar do tempo e a distância nos separar, o cuidado que outrora o entregava ainda insiste em ser dado. Como se fosse preciso envolvê-lo em meus braços e protegê-lo de tudo prejudicial.

Eu me preocupei demais. Cuidei demais.

Chorei demais.

Depois de um sentimento intenso que o gerou dentro de mim, abortar sua imagem não é fácil.

Olha a bagunça que arrumou dentro do meu ser! E agora ele vai arrumá-la?

Difícil é conviver com o silêncio dele que dialoga com minha dor berrante. E mesmo se gritasse em seu ouvido a minha raiva e angústia pela sua falta, esse desprezo o ensurdeceria ao meu apelo.

O desprezo dele me rouba a voz.

Fui deixada vazia, levou muito do era precioso.

Difícil é habituar-se ao vazio que sinto, o qual tem forma, nome e sobrenome. Um espaço que não deixo ninguém ocupar.

Talvez por este motivo, por esta minha teimosia de não querer que ele vá (mesmo já não estando presente fisicamente) é que eu me encontro nesta situação: patinando num lago congelado de lembranças nossas.

E é, também, por esta razão que eu digo: não é difícil conviver com esse moço, o difícil é conviver comigo mesma.

Difícil mesmo é escrever sobre as dificuldades deste amor.

J. M. Vita.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s