Prematuro

03

Estou há duas horas numa festa “que talvez você dê uma passada”. Pessoas  falam comigo e eu concordo com um sorriso sem tônus, procurando sentido em  dentes como se eu fosse de outro país.

Decido ir embora. Estou cansada, estou com meu batimento cardíaco  descompassado e bruto chicoteando a jugular. Meus olhos brilham tanto que o  brilho escorre e escurece um pouco as olheiras. Você me deixa com cores menos  humanas.

Pago a conta, pego a bolsa e suspiro: talvez você dê uma passada. Olhar pra  porta é como buscar um fiapo de proteína num planeta com pavês de chocolate.

Decido que eu não preferia antes de te conhecer. Qualquer tormento é melhor  do que bocejar. Bolas de calcanhares entediados presas a um pé de ferro.

Só mais um pouco. Mais uns minutos. O táxi está na esquina. Você está na  porta. Não fico feliz. Não quero te ver. Não gosto de você. Me lanço para os  seus braços. Te conto que estou ossuda e seca de tanto sugar meus pensamentos.  Você salgou minha carne, me deu sabor e agora fico me chupando até não sobrar  nada. Mas sempre sobra.

Você então começa a me rodopiar. Não pense e só dance, você diz. Acho  impossível que duas pessoas que se conhecem há pouco tempo e nunca frequentaram  um desses cursos de dança se encaixem tão bem. Mas isso é racional e não explica  nada sobre o nosso abraço.

A gente se encaixa muito bem. Um na caixa do outro e a gente tentando parecer  grande pra não asfixiar o comecinho do amor. O maior carinho do mundo é se  alargar pro outro poder esticar as pernas.

Fico com a sensação de que sua orelha é do tamanho exato da metade da pele  atrás do meu joelho. Que a palma da minha mão tem o tamanho exato da parte da  sua nuca que vi quando você vai embora. Que seu pé inteiro esquenta ou esfria  minha batata da perna inteira.

Fico com a sensação que se eu desmaiar, você pode apenas me somar a seu corpo  e seguir vivendo por mim. Eu não queria acabar agora, então, por favor, me  termine pra mim.

Fico com a sensação que se eu me lançar dramaticamente pra trás, com meus  cabelos estapeando qualquer coisa esquecida, automaticamente brotarão mãos  másculas da minha lombar. Suas mãos brotam da minha lombar. Não sinto você me  segurando pela cintura. Nem sinto minha cintura segura pelas suas mãos. Sinto  que suas mãos brotam de dentro da minha cintura.

E então os pés que te trouxeram (e que sempre te levam tão rápido) agora  retiram magicamente minha cabeça da dança e substituem minhas ordens. Ser  dirigida pelo seu chão é como ser libertada de uma jaula gigante e esmagadora.

E eu consigo gostar de você apenas com as minhas células e elas, porque não  choram e nem sonham, se chacoalham quentes enquanto ignoram uma cabeça rolando  pra longe. Quanta coisa linda a gente não nega pra sobreviver num mundo de  robôs.

De repente abro os olhos. A cabeça desperta aos poucos, apenas pra dar  sentenças claras aos atropelos do peito. Eu penso que isso é gostar tanto de  você. Penso que pra caber no diâmetro pequeno entre o ombro que você beija e o  ombro que eu mesma toco, te laçando, tem que derramar um pouco.

Eu sei que esse amor é um bebê recém nascido que, por medo e vergonha, já  expeli mas seguro entre as pernas. Já tem unhas, mas depois os olhos mudam de  cor. Não posso te oferecer, pelada e arregaçada, uma vida tão pequena e à base  de líquidos, mas queria que você soubesse a batalha sangrenta que é não  sobrecarregar as delicadezas de fora com a violência de dentro.

Tati Bernardi

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s