Estrela Cadente

03

É engraçado escrever no papel, quero dizer, com o lápis de um lado, papel do outro. Um encontro explosivo. Acho que o motivo de nunca ter gostado de escrever no papel é porque possuo um turbilhão de ideias e uma imensa necessidade de colocá-las em palavras. Parece que quando transformo sentimentos em palavras, me esvazio. E quanto mais rápido, melhor. É como arrancar um band-aid. No entanto, permita-me discordar de mim mesma, escrever no papel é dar oportunidade para sua mente mudar de ideia. Por exemplo, esse texto era pra ser sobre você e eu estou divagando sobre papel e caneta. Tentando fugir do inevitável, como sempre.

Por que você faz isso comigo? Me assusta. Odeio sentir sensações que não tem nome. Por mais que livros tentem defini-las, não tem como. Não existem palavras suficientes que definam o que sinto quando estou ao seu lado. É clichê, eu sei. Mas o clichê é o que há de mais belo quando verdadeiro. Será que você também se assusta ao pensar em nós dois? É um medo gostoso, desafiador. É como assistir um filme de terror, e por mais que esteja com medo, não desligar a televisão. Você precisa saber o fim. Eu preciso chegar até o limite com você, a propósito, você me faz ter vontade de rodar o mundo a 500 quilômetros por hora. Será que é assim que as pessoas se sentem nos filmes em que assistimos? Fico pensando.

As pessoas dos filmes se apaixonam rápido, apenas com olhares, palavras, ou toques. E eu sempre me perguntei se era porque o filme precisava durar algumas horas ou se o amor era assim mesmo. Rápido, repentino, avassalador. Será que era possível construir certezas em cima de pessoas que eram um ponto de interrogação? Será que era possível desejar o ”pra sempre” mesmo antes do ”agora”? Será o destino mesmo o responsável por cruzar almas que se completam, transbordam, e conectam?

Eu tive certeza sobre você no minuto em que te vi. Tive certeza quando você deu o primeiro sorriso, quando arrancou minha primeira gargalhada. Tive certeza quando você contou sobre o seu passado que tanto se parece com o meu, quando notei que você tinha as mesmas dúvidas e medos que eu sempre tive. Tive certeza quando percebi sua compaixão. Tive certeza quando escutei o seu coração e ele falava o mesmo idioma que o meu. Um idioma que até então ninguém nunca tinha conseguido compreender. Você compreendeu. Você me compreendeu. Desculpa a repetição, é que não consigo acreditar.

Era você a pessoa que ia conseguir o que ninguém conseguiu. Me encantar. Meus olhos cansaram de se encontrar pessoas vazias, e acabaram por tomar o mesmo destino, se esvaziaram. Eram tristes, sem brilho, desconfiados. E você, ah, você. Você fez com que meus olhos brilhassem novamente. Aquele brilho que só existia nas minhas fotos de criança. E então eu tive certeza. No momento em que seus olhos brilham, o coração acelera, e o universo parece parar para observar vocês… É amor. Da forma mais pura que pode existir.

Isabela Freitas, escreve para o http://www.isabelafreitas.com.br/
Anúncios

One thought on “Estrela Cadente

  1. Parabéns Isabela… mergulhei em suas palavras e nelas encontrei um pouco de mim… é engraçado como nos sentimos ao colocar no papel aquilo que aflora dentro de nós mesmos!!! é uma loucura sensacional…. continueeeee assimmmm!!!! 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s