Ligações

31 (2)

E como eu faço pra não amar suas ligações tarde da noite? No fim do seu dia, da sua diversão. A palavra fim sempre entre a gente, é nosso destino, sempre foi. Me derreto e me seguro, escorrendo pelas mãos, pra cair pelo quarto e não passar líquida pelo telefone. Quero que você me imagine a mais sólida possível, atendendo só mais uma ligação casual. Deus me livre que fosse perceptível meu sorriso de orelha a orelha e meu coração pulando que nem criança.

Esse é o bom dos meios de comunicação, a vantagem em cima do maldito contato pessoal, que entrega qualquer hesitação indesejada. E com você, elas são tantas. Você me provoca, eu te provoco. É como sempre, chumbo trocado, amor afiado, a especialidade da casa. A gente não se procura, se rende, essa é a palavra.

Reluto, bato pé pra não atender aos seus pedidos em tom de brincadeira, que no fundo, é só um pedido sincero, do que o seu coração precisa e você tenta esconder também de você próprio. Não e não, porque eu preciso também e preciso bem mais! “-Vou desligar.” “-Tá bom.”, mas nunca desliga. E de repente eu percebo que isso caracteriza não só as nossas ligações, mas toda a nossa história. Todo o nosso amor.

Marcella Fernanda

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s