Parada

As vezes é preciso estacionar.

Eu parei, mas não do jeito que se para num engarrafamento, em meio ao barulho, buzinas, fumaça cinza e palavrões.
Eu tive que sair da fila, me recolher à espera num canto qualquer, sem movimento, porque dentro de mim já tinha bagunça suficiente.

E metaforizando ainda, não vale aqui tomar um atalho, um outro caminho. Tem certas coisas, que vão grudadas com a gente pra todo lado, maculando a caminhada. A gente sai de uma via estressantemente congestionada, pra pegar uma estrada esburacada e incerta.
Então me parece que o mais sensato mesmo, é parar no acostamento da vida e ficar ali, esperando passar.

É melhor o silêncio, sair da linha, pra se escutar por dentro, do que insistir num caminho barulhento e cheio daquela espera inquieta, que pode demorar muito pra ir embora.
Já que não dá pra voltar atrás, que não é seguro tomar outro caminho e que pra frente o negócio não anda, o melhor mesmo é se afastar do olho da confusão.
É arranjar um lugar que dê pra tomar uma água, uma posição que dê pra dormir um sono, um rádio pra escutar uma música, porque só assim o tempo distrai e a poeira assenta, até que carreata segue e o coração desocupa.
Porque o que a gente não alimenta, emagrece. O que não se rega, morre.

Não precisa se juntar à multidão insana gritando, buzinando, xingando a mãe do outro, não. Quem se debate muito, se machuca muito.

E pode até doer estagnar, mas atropelar dói muito mais.

Kamila Valente

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s