Adoráveis cafajestes

Levante a mão quem nunca pensou “mas comigo ele é tão diferente.”

Escrevo para as que permaneceram com as mãos abaixadas. Para aquelas que conseguiram enxergar o sorrisinho cretino daquele cara gente boa que te fez perder algumas noites segurando o celular. Daquele que inventou as mentiras mais toscas pra te conquistar, pra te perder e pra te conquistar de novo. Daquele que nunca te dispensou, porque cafajeste que é cafajeste jamais dispensa: administra.

Definitivamente, ser cafajeste não é para qualquer um. Exige anos de prática. Tem que saber exatamente o que uma mulher quer escutar, a hora certa de dizer e usar os maiores clichês da face da Terra sem parecer meloso. Tem que fazê-la sentir especial, ter alguma coisa entre mocinho de novela e astro de filme pornô. Tem, acima de tudo, que entender que o segredo do pudim é o banho-maria. Não dá pra deixar esfriar, não dá pra deixar ficar quente demais. Quer enlouquecer uma mulher? Faça-a esperar. Não existe nada mais insuportável que a espera.

21 h: Passei o dia inteiro imaginando esse encontro, estou pronta e maquiada, contando os minutos. 22 h. O telefone não toca. “Segura a onda, ainda dá tempo” digo pra mim mesma, tentando não me concentrar no que está acontecendo.  23 h. No desespero, começo a me enganar: “Tudo bem, sou moderna…se ele não ligou, eu ligo”. Chama, chama e cai na caixa. Ligar de novo é perder a dignidade. Vou dormir arrasada, até que no dia seguinte ele arruma uma desculpa e quase me convence. Digo quase, porque a gente sempre sabe. Já sabia antes mesmo de começar. Cafajeste que é cafajeste tem ficha suja. As amigas alertam, repassam o histórico de corações partidos, mas agora já é tarde. Você quer pagar pra ver.

O primeiro encontro é lindo. O cara não é tão bonito quanto ele acha que é, você é mais legal do que ele pensava e provavelmente vocês vão sair de novo.  Começa assim. Aos poucos, os encontros vão ficando cada vez mais esparsos e você cada vez mais a fim. O ponto de interrogação só aumenta. Definitivamente, ele tem alguma coisa a mais. Essa coisa é controle. Cafajestes sempre têm o controle. Eles leram o nosso manual de instrução e vão usar todas as funções em seu favor. Massagem, carona de volta, café da manhã na cama. Eles só não pedem porque ganham antes. Cafajestes sabem de uma coisa que os galinhas não sabem: mulher é bem melhor quando ama. E não é preciso fazer nada. É só dizer.

Nosso ponto fraco é a vaidade. Diga que eu sou bonita, que gosta de estar comigo, diga que eu sou divertida. Mesmo que eu finja que não acredito, lá no fundinho eu sei que é tudo verdade. E daí se as atitudes não forem coerentes? A gente gosta mesmo é do discurso. Vamos ler e reler a conversa, supor, interpretar, repetir, pedir opiniões alheias, descartar opiniões contrárias até conseguirmos criar uma história verdadeiramente intrigante para pensar o dia inteiro. Cafajeste que é cafajeste sabe que, de uma mulher apaixonada, o pior que se pode esperar são explosões momentâneas de raiva que, se o cara for mesmo inteligente, se resolvem antes de começar.

Cafajeste que é cafajeste sabe que quando a gente insiste na briga, a ressaca moral é forte e a gente pede desculpa por ter perdido a calma. Cafajeste que é cafajeste sabe que a gente tolera qualquer coisa, menos indiferença. Talvez a única coisa que um cafajeste não saiba é que uma hora a gente se toca e até acha fofo. Umas se cansam, outras vão embora. Algumas simplesmente administram.

Sarah Westphal

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s